Artigos

Silagem pré-secada como alternativa para a entressafra

Por Rogério Marchiori Coan

A utilização da ensilagem como técnica de conservação de forrageiras tropicais é uma prática que vem sendo adotada com frequência no Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, em substituição a fenação que, invariavelmente, é prejudicada pela ocorrência de chuvas durante o processo de secagem, acarretando perdas à forragem conservada.

Várias forrageiras têm sido estudadas no sentido de se encontrar alternativas para a conservação na forma de silagem, e entre elas destaca-se os capins tropicais, Estrela Roxa, Coast-Cross e Tifton-85, pertencentes ao gênero Cynodon e as plantas de clima temperado, como Aveia, Triticale, Azevém, Cevada e Alfafa. De maneira geral, estas plantas apresentam limitações ao processo de ensilagem, pois apresentam baixos teores de matéria seca e açúcares solúveis e elevado poder tampão no estádio de maior valor nutritivo, justificando assim o uso de técnicas que promovam a redução da umidade no momento da ensilagem e evitem fermentações secundárias.

Uma das técnicas que vem sendo utilizada para este propósito é a pré-secagem, que promove a redução do teor de umidade das forrageiras pela exposição direta da forragem (após corte) ao sol por períodos de 4 a 6 horas. Este processo é uma opção interessante, por proporcionar condições ideais para o crescimento de bactérias produtoras de ácido lático, que promovem o abaixamento do pH e assim permitem que o excedente da forragem produzida nas pastagens ou em áreas de cultivo exclusivas para o corte, possa ser armazenado e utilizado na alimentação dos animais durante o período de escassez. Outra característica importante refere-se ao menor tempo de exposição às intempéries climáticas e, no caso específico da Alfafa, reduz em grande quantidade a perda de folhas, que é o principal fator a comprometer a qualidade do feno dessa forrageira.

Fases do Processo de Pré-Secagem

O corte das plantas forrageiras destinadas a ensilagem deverá ser realizado quando as plantas estiverem no estádio vegetativo, ocasião essa em que a planta se encontra no “ponto de equilíbrio”, entre produção de matéria seca e qualidade nutricional. A forragem cortada é espalhada no campo para secar e a perda de umidade é intensa nas plantas ainda vivas, uma vez que o caule e as folhas foram separados das raízes e a umidade perdida não é reposta, iniciando assim a secagem ou murchamento, que consiste na primeira fase do processo.

As plantas forrageiras no momento do corte apresentam teor de umidade entre 75 a 85%, que se reduz rapidamente para 65%. A secagem é rápida envolvendo intensa perda de água. Numa segunda fase de desidratação o metabolismo da planta continua e pode se prolongar quando a forragem é densa na leira, a umidade relativa do ar é baixa ou a circulação do ar é pequena entre o material cortado.

Uma terceira etapa tem inicio quando a umidade da planta atinge cerca de 45 a 50 %, sendo esta etapa mais sensível às condições climáticas do que as anteriores, principalmente a umidade relativa do ar e incidência de radiação solar. É nesta etapa, ou próximo a ela, que a forragem é recolhida e na sequência ensilada, reduzindo assim, os riscos de perda da forragem ensilada em relação ao feno. O produto final apresenta então ao redor de 50 % de matéria seca (MS).

Fatores que Interferem na Desidratação

Fatores Ambientais – radiação solar, temperatura, umidade relativa do ar e velocidade do vento. A umidade relativa do ar, juntamente com a incidência de sol, são os principais fatores ambientais que exercem influência na perda de água da forragem desidratada no campo.

A secagem da forragem cortada continua se processando enquanto a umidade relativa do ar for menor que a umidade de equilíbrio da forragem. A umidade de equilíbrio é importante para determinar se o material que está sendo desidratado perderá ou ganhará umidade.

Fatores Inerentes à Planta – a superfície das plantas é coberta por uma camada cerosa, relativamente impermeável, chamada cutícula, que exerce funções de prevenção de danos físicos e/ou mecânicos, diminuir perdas de componentes da planta por lixiviação (vitaminas, açúcares, etc.) e excessiva perda de umidade.

Fatores de manejo – as práticas de viragem e revolvimento com ancinhos enleiradores e espalhadores são de importância fundamental no processo de secagem, principalmente nas primeiras horas após o corte, a fim de reduzir a compactação e proporcionar maior circulação de ar dentro das leiras, acelerando a transferência de umidade das plantas para o meio ambiente. A altura da forragem remanescente deve permitir a circulação de ar na porção inferior da leira, de modo a diminuir o tempo de permanência da forragem no campo.

Controle de Perdas no Processo

As perdas que ocorrem no momento do corte são devidas, principalmente, ao dilaceramento de folhas e caules e, geralmente, estão associados a equipamentos inadequados ou carentes de manutenção, com facas não afiadas e desajustadas. No caso das leguminosas, deve-se tomar uma atenção especial pela maior susceptibilidade a perda de folhas que ocorre em resposta a manipulação da forragem.

O condicionamento mecânico, com a maceração do caule, pode melhorar a taxa de secagem de maneira mais consistente, sendo mais evidente em espécies que possuem caules mais grossos e com baixa relação folha/caule.

Para a adequada manutenção da qualidade da forragem ensilada é importante que o enchimento do silo seja rápido, estabelecendo condição de anaerobiose o mais rápido possível. A compactação da silagem pré-secada em silos de superfície ou trincheira deve ser feita exaustivamente durante todo período de enchimento do silo, utilizando-se de trator pesado (4 a 6 toneladas).

A ensilagem de forragem pré-secada em fardos retangulares ou redondos, os chamados
“Bags” (400 a 600 Kg), tem sido adotada com frequência por diversos produtores. A silagem produzida é revestida com filme plástico especial e apresenta as seguintes vantagens, quando comparado ao feno:

• Permite o uso de alguns equipamentos empregados no processo de fenação;
• Possibilita o transporte de pequenas quantidades de forragem conservada sem abertura dos silos;
• Redução do tempo de secagem e dos riscos de perdas no campo;
• Preserva melhor a qualidade da forragem colhida com níveis mais elevados de umidade;
• Facilidade de armazenamento (ao ar livre);
• Menores perdas por deterioração do material.

Como desvantagem desse processo, pode-se citar:

• Investimento elevado na compra de máquinas e implementos específicos para ensilagem, bem como o elevado preço do filme utilizado no processo;
• Baixa estabilidade aeróbia (fermentação indesejável) da silagem após abertura do silo, implicando em deterioração da silagem resultante.

A silagem pré-secada, quando adequadamente obtida, apresenta bom valor nutritivo, sendo comum valores de entre 60 a 64% de NDT e 10 a 16 % de proteína bruta (% matéria seca), dependendo do material de origem utilizado.

Por fim, ressalta-se que por melhor que seja a silagem obtida, o produtor deverá levar em consideração os fatores relacionados ao custo de produção e/ou fornecimentos aos animais, uma vez que a não observância nesse aspecto pode comprometer todo o sucesso ou rentabilidade do sistema de produção pecuário.

Área restrita

Entre em contato

Receber newsletter


Copyright 2013 Coan Consultoria